Home > Uncategorized > Espiritualidade pascal

Espiritualidade pascal

Estamos a viver o tempo pascal em que celebramos o coração da nossa fé – a Ressurreição de Cristo. Ao longo de cinquenta dias, do domingo de Páscoa ao Pentecostes, a Igreja convida-nos a fortalecer as razões pelas quais acreditamos que Cristo se levantou glorioso do túmulo para que, acreditando, tenhamos a vida em seu nome, ou seja, determinada por Ele e para Ele orientada. A descoberta de que Cristo está vivo e vem ao nosso encontro, se for verdadeiramente experimentada, abre à nossa vida novos horizontes e conduz- nos a uma espiritualidade pascal. As celebrações litúrgicas deste período convidam-nos a fazer um percurso idêntico ao dos apóstolos. Os evangelhos mostram-nos como, progressivamente, eles vão vencendo as dúvidas e aprofundando as experiências e as provas de que Cristo está vivo e caminha com eles. À medida que acreditam convictamente, a vida deles transforma-se, torna-se uma vida pascal. Esta conversão constitui provavelmente o sinal mais convincente da credibilidade do seu testemunho. Também hoje o Senhor passa pelas nossas vidas e permanece connosco, se lhe pedirmos como os discípulos de Emaús: “fica connosco Senhor porque a noite vem caindo. Precisamos da tua luz para vencer as trevas”. A passagem do Senhor dá-nos paz, tranquilidade, confiança mesmo nos momentos em que podemos sentir-nos desamparados como Ele se sentiu na cruz. Por isso, viver a Páscoa é, antes de mais, aprofundar o encontro pessoal com Cristo Ressuscitado que nos enche de confiança e alegria e nos oferece a Sua paz. Peçamos-lhe este dom pascal: “Dá-nos Senhor a Tua e inunda-nos com a alegria da Tua Ressurreição”. O Senhor passa e desafia-nos a fazer também da nossa existência uma passagem, uma Páscoa, a sair dos nossos apegos ou acampamentos seguros e a pormo-nos em movimento para a novidade da ressurreição. Ao cruzar-se connosco dá-nos uma nova luz e compreensão, aquece os nossos corações e revitaliza a nossa esperança. A espiritualidade pascal é a espiritualidade do peregrino que procura a novidade de Cristo, atento a novos horizontes, buscador das “coisas do alto”. É uma espiri- tualidade em saída, dinâmica, com os olhos fixos em Jesus “guia da nossa fé e autor da sua perfeição” (Heb 12, 2). Esta espiritualidade vence os medos e os desânimos pois deposita a sua confiança em Deus que chama à vida o que não existe. Precisamos de dar maior relevo à espiritualidade pascal para não merecermos a chamada de atenção do Papa Francisco de que há muitos cristãos que vivem uma Quaresma sem Páscoa. De facto, nas nossas tradições e programações pastorais procuramos fazer da Quaresma um tempo forte de crescimento na vida espiritual, o que é muito bom. Desde que não esqueçamos que tem em vista preparar a alegria e a vida nova da Páscoa. Esta sim, é a espiritualidade que identifica o cristão.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *