Home > Crónicas > O senhor ferroviário e a senhora rodoviária

O senhor ferroviário e a senhora rodoviária

Quando nascemos trazemos uma missão. Cada um é um caso. Pode haver coincidências mas não há perfeições arrebatadoras. No entanto existem seres humanos que brilham no seu dia a dia. Trabalham e gostam do que fazem. Podem desempenhar diversas funções, podem ter problemas em casa, mas não os levam para o emprego. É muito importante tentar superar o mau humor, as brigas caseiras, as controvér- sias de quem manda. Isto aplica-se no geral, mas há que ter em atenção quem está a atender o público. Atenção, não estou a condenar ninguém. Mas, sabemos que nem sempre somos bem atendidos numa repartição de finanças, numa urgência de hospital, num restaurante ou noutro local qualquer.
E vou contar-vos que ao longo do meu caminho já encontrei pessoas dessas. E bem perto da nossa cidade, mais propriamente na estação de comboio em Riachos trabalha um senhor que nos ajuda em tudo o que precisarmos. Responde educadamente às nossas dúvidas e é uma alegria quando o encontro no seu posto de trabalho. Transmite-me uma paz enorme. E não é só comigo que é simpático, é assim para todas as pessoas. Não interessa o seu nome, chamo-lhe o senhor ferroviário. E por Torres Novas encontrei há uns anos a senhora rodoviária que é uma amabilidade em pessoa. Sempre sorridente, bem arranjada e bonita. Encanta os passageiros com aqueles olhos brilhantes e o sorriso franco. Mulher destemida, tanto conduz autocarros, como urbanos. Tem brio no que faz e isso é de louvar. A sua boa disposição é uma bênção quando nem sempre estamos com vontade de sorrir. Não sei se o senhor ferroviário conhece a senhora rodoviária, mas este homem e esta mulher ainda são daqueles que “jogam com amor à camisola”. Erram, caem, choram, gritam como todos nós, mas sabem estar nos seus postos de trabalho. E por cá, por ali e por todo o lado encontramos pessoas com este dom natural de transmitir amor pelo que se faz. E enquanto cá andarmos sou apologista que as demonstrações de apreço devem ser feitas em vida e não quando o corpo já não é corpo em si.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *