Home > editorial > Piedade das Mulheres

Piedade das Mulheres

Não são poucos os homens que se irritaram contra as mulheres, colocando-as na mira dos seus ataques. Haverá, certamente, aqueles que o fizeram por pura misoginia. Estes são apenas uns poucos. A grande parte desses críticos porém, não são adversários das mulheres, mas apaixonados por elas. Deixemos aqui os ataques, muitos dos quais da parte de homens notáveis, como Pitágoras, que diz que um princípio mau, criou o caos, as trevas e a mulher. Mais adiante Menandro: “Há muitos monstros na terra e no mar, mas o maior de todos é ainda a mulher”. E Nietzsche: “Vais ter com mulheres? Não se esqueça do chicote”! Passando pelo livro da vida, por causa da mulher: Adão perdeu o paraíso. Sansão teve os olhos perfurados. Oseias foi vítima de adultério. Job tornou-se mísero e ulceroso. Noutras religiões, o Islão manda reprimi-las e as tribos do Quénia mutilam as suas partes genitais. Os gregos que fundaram a democracia não deram às mulheres lugar na política nem no teatro. Os Romanos excluíram-nas das suas campanhas e do que mais resultasse das suas conquistas. A Igreja Católica negou-lhes o título de apóstolas, muito embora três delas permanecessem de pé junto à cruz de Jesus, enquanto os apóstolos fugiam. Entre os Vikings as Valquírias foram valentes guerreiras, poderiam até pedir o divórcio, caso o marido sofresse de disfunção erétil. Entretanto, na batalha eram postas na frente e, quando idosas, sacrificadas. Tantas perseguições provocaram o dia da mulher, para nos lembrar que todos os dias são dias da humanidade, que inclui homem e mulher. Não são sem razões as queixas, pois ainda hoje as mulheres trabalham mais e ganham menos. Colaboram com todo o seu empenho nas cidades, nas escolas, nos centros so- ciais e na vida doméstica mas, mesmo assim, não estão livres de leis desiguais, exclusão política, preconceitos de género e agressões físicas. Tanta desdita neste longo capítulo da mulher faz-nos lembrar Vinícius de Moraes: “Tende piedade, Senhor, de todas as mulheres (…) que dentro delas a vida fere mais fundo e mais fecundo. E o sexo está nelas, e o mundo está nelas. E a loucura reside nesse mundo”. (Vinícius de Moraes)

Durval Baranowske, diretor

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *