Home > editorial > Autocrítica e opinião

Autocrítica e opinião

Nada contribuirá mais para tornar um espírito falso, obscuro, confuso e incerto do que o olhar e as considerações dos nossos parentes. Para os textos bíblicos, o profeta (aquele que revela a verdade), não é bem aceite na sua pátria e quiçá, também nós, junto dos colegas de trabalho e amigos de lazer, os vizinhos e os de nossa casa.
É nas ações habituais, onde não temos de nos explicar, junto dos parentes e amigos mais próximos, que são descritos os nossos defeitos mais que nossas virtudes, pois é com os nossos íntimos que as ações agem sem reflexão e autocrítica.
Poucos de nós somos admirados pelos da nossa casa. Isso se deve porque nesse ambiente os nossos defeitos se mostram com mais clarividência do que as nossas qualidades. Comigo, por exemplo, na minha região no Brasil, acham esquisito ver-me a dar entrevista na televisão. Na medida em que o conhecimento que têm de mim se vai afastando da minha casa parental, valho tanto mais. Em Torres Novas colaboro neste semanário, alhures me pagam para escrever.
Tenho a sorte de ter amizades raras e refinadas que me sabem elogiar e criticar quando mereço e sei que, quando quero, dificilmente me deixo abater pelo que pensam de mim, mas há pessoas que são cativas deste sentimento, sem ter um amigo que lhes empreste opinião sincera sobre seu estado ou defeito, comportam-se sem autocrítica, tornando-se por vezes inconvenientes.
A autocrítica é uma das coisas mais profundas deste nosso mundo rasteiro. Podemos incluir na rubrica da autocrítica os pensamentos que nos assaltam, a escolha das virtudes ou luxúrias, a opinião e a ação. São compreendidas na forma da autocrítica todas as declarações relatadas pela convivência. Mas a autocrítica, que reúne todos os sentidos do corpo voltados para si, é uma dádiva da razão e em numerosas pessoas torna-se uma correta autoavaliação sem a opinião de outros.
Sendo assim, mais vale ter autocrítica do que fiar-se nos parentes e amigos. E quem, como eu, tem por finalidade a autocrítica e é muito criticado pelos seus, deve entender dessas dificuldades e suscetibilidades que transcrevo nesta à janela. Durval Baranowske, diretor

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *