Home > Ana Correia > Um jogo de indisciplina

Um jogo de indisciplina

O jogo do Riachense frente ao Samora Correia foi marcado principalmente por momentos de forte indisciplina. O Riachense, que vinha de uma derrota contra o Torres Novas, entrou em campo com determinação e vontade de vencer a partida que lhe poderia dar os primeiros três pontos no campeonato distrital. O Samora Correia que empatou na 1ª jornada, vinha igualmente com a ambição de vencer. Durante a primeira parte existiram oportunidades de golo para ambas as equipas. Nos 15 minutos iniciais o guarda-redes do Riachense, Pedro Abelho, fez grandes defesas que impediram o clube visitante de chegar ao marcador. Mas o golo não tardou em chegar e logo aos 18 minutos o Samora Correia festeja o golo, bem marcado, de livre direto. O Riachense sempre motivado pelos seus treinadores e pelos poucos adeptos que se faziam ouvir nas bancadas, chegou ao empate próximo do intervalo. A partir da segunda parte começou o descontrolo do jogo, principalmente da equipa de Riachos. O 1-2 para o Samora Correia veio dar o empurrão para o descalabro total. Os alvi-negros de imediato começaram a contestar verbalmente a equipa de arbitragem, que de facto não terá tomado as melhores decisões. Mas nem só da arbitragem veio a culpa. Sabendo os jogadores do Riachense que já tinham visto o cartão amarelo na primeira parte, tinham por obrigação evitar qualquer falta, um pormenor importante que parece ter sido esquecido por Nélson Vicente e Moita. Em desvantagem no resultado, o Riachense fica reduzido a 9 jogadores. Se a vitória parecia não escapar ao Samora, tudo se tornava, a pouco e pouco, mais fácil. O jogo foi diminuindo de intensidade, uma vez que os jogadores estavam mais concentrados na discussão do que propriamente no jogo e em dar a volta ao resultado. Aproveitando assim o Samora para fazer o terceiro golo, acabando com a hipótese do Riachense chegar pelo menos ao empate. Já em período de compensação Leandro Silva vê o vermelho direto, após uma entrada sobre o adversário. Para poder chegar longe o Riachense terá que mudar o seu comportamento, aprendendo a controlar as emoções, não perdendo a cabeça com tanta facilidade e concentrando-se no que é realmente importante: jogar à bola.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *