Home > Colaboradores > Joaquim Canais Rocha > Os tempos mudam… depressa

Os tempos mudam… depressa

É a conclusão a que chegámos no que diz respeito ao papel da mulher na sociedade. A ascensão tem sido rápida e hoje vemos mulheres em cargos de grande responsabilidade. O desporto foi uma das que se abriu ao sector feminino para logo a seguir abraçarem quase todas as modalidades desportivas.

Apesar de hoje as mulheres terem uma formação superior, continuam a ter algumas dificuldades no que diz respeito aos empregos. Apesar de ganharem menos em relação aos homens, apesar do executarem as mesmas tarefas, quando as opções aparecem o homem tem a primazia. As questões da gravidez ainda incomodam alguns empresários porque ainda não compreenderam a importância que é para a sociedade o nascimento de uma criança.

Vem isto a propósito da abertura na Escola de Polícia da Cidade de novos candidatos a polícias. Foram muitos que se deslocaram de vários pontos do País, onde as mulheres marcaram boa presença. São testes que vão seleccionar os mais capacitados física e mentalmente. Nem todos conseguirão passar, apesar de tentarem. As mulheres tentam encontrar uma profissão que lhes garanta tranquilidade.

As mulheres estão a chegar à Polícia de Segurança Pública – e a outras polícias, claro – porque descobriram que também podem desempenhar a função com responsabilidade, apesar de saberem que correm riscos, como em qualquer outra profissão. É bom que isso aconteça porque a mulher tem uma sensibilidade diferente da do homem. E este equilíbrio só traz vantagens à cooperação.

* *

O mês de Agosto é por excelência o mês dos nossos emigrantes. Já falámos deste assunto, mas voltamos de novo porque a presença dos nossos emigrantes, na Cidade, aumentou consideravelmente. Por todos os lados os vemos, passeando pelas zonas verdes de Torres Novas. Uma visita ao Castelo, ao Museu e Piscinas «Fernando Cunha», além de outros locais, são as zonas da sua preferência.

Um pouco mais velhos, porque a idade não perdoa, ficamos radiantes por ver que a saúde ainda é boa. Sinal de que têm sabido viver a vida com regras, apesar de trabalharem fora do País. Alguns já reformados depois de tantos anos de trabalho. Todavia não pensam regressar porque a Família está ali a viver. A nova geração ali nasceu e aprendeu outra língua e outra cultura. Mas não esqueceu Portugal e a Língua de Camões.

Torres Novas e Concelho tem emigrantes em muitos países. França, Alemanha, Suíça e Inglaterra. Até temos torrejanos no Canadá e na Austrália, que é o fim do mundo. Torres Novas nunca fez uma Festa dos nossos Emigrantes, que bem mereciam. É uma coisa a pensar no futuro através de um estudo que se pode fazer sobre o número de Emigrantes da Cidade e do Concelho. A maioria das pessoas não tem a noção do número de Emigrantes que trabalham na Europa, nos Estados Unidos, no Canadá e noutros países. Aqui deixamos a ideia para ser canalisada no sentido da sua viabilidade. O mês de Agosto é o ideal para juntar os nossos Emigrantes.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *