Home > Colaboradores > Corina Lopes > O Portal da Amizade: O Divórcio (2)

O Portal da Amizade: O Divórcio (2)

 

No texto anterior iniciámos uma reflexão sobre o Divórcio referindo alguns dados estatísticos, a mudança de concepção sobre o divórcio e alguns sinais de alerta. Continuamos esta semana com mais algumas questões relacionadas com este tema: as causas, como preveni-lo, os mitos…

Se, ao analisarmos a nossa relação verificarmos que estão muito presentes a rotina, a acomodação, a intolerância relativamente aos familiares do cônjuge, os problemas com a educação dos filhos, o sentimento de frustração quanto a realização pessoal, as questões do dinheiro, a intolerância perante as falhas do outro… então ALERTA, possivelmente estamos a precisar de parar para conversar. Precisamos de comunicar, de “discutir” o estado da relação.

 

John Gottman, um médico americano que se dedicou a estudar os sinais físicos que indicam o grau de deterioração de um casamento, garante que um conflito conjugal, por maior que seja, é necessário e pode ser benéfico para a relação. É praticamente impossível duas pessoas estarem sempre de acordo em todos os aspectos da vida familiar. Diz Gottman que “há casamentos que duram longos anos, que duram até à morte e que vão melhorando à medida que o tempo passa. Não quer dizer que não haja conflitos nessas relações… Mas os parceiros sabem resolvê-los com elementos positivos como o humor, a empatia, o afecto, a vontade de resolver o problema de forma activa e não com atitudes defensivas…”. O objectivo principal do conflito é resolver um problema e não arranjar outros. É necessário que ambos os cônjuges saibam comunicar, saibam dizer, com respeito mútuo, o que sentem, o que pensam e o que querem. Quando não o conseguem fazer sozinhos, existe sempre a possibilidade de procurar um técnico especializado em Terapia Familiar ou de Casal.

 

É preciso parar para ouvir e compreender as razões do outro, não só no casal mas em todas as áreas da nossa vida. É frequente ouvirmos expressões como “O divórcio é um acontecimento pouco importante e muito comum na vida das crianças e dos adultos”, “O divórcio permite aos adultos realizar melhores escolhas e concretizar relações mais felizes pois numa segunda relação não se cometem os erros da primeira”, “Se os pais são felizes, ainda que separados, também as crianças o são”, “O divórcio solucionará os problemas económicos”. Estas e outras afirmações são mitos criados em torno do divórcio. O que se verifica, na maioria dos casos, é acontecer exactamente o contrário. O divórcio deixa marcas duradouras que muitas vezes têm consequências negativas muitos anos depois. Segundo alguns estudos, quem se divorciou a primeira vez tem muito mais probabilidades de voltar a separar-se em novas relações. Também é conhecido que as crianças, principalmente nos casos em que não existe violência física, consideram muito mais importante ter a família unida do que a felicidade individual de cada um dos progenitores. Por outro lado, está comprovado que os filhos de casais com más relações mas que permanecem unidos, no futuro se divorciam menos do que aqueles cujos pais têm níveis semelhantes de discórdia e se divorciam. A questão reside, não tanto na discórdia entre os pais e possível infelicidade, mas no modelo de vida que oferecem, isto é, se demonstram que vale a pena seguir com uma união, ainda que em dificuldades, ou se pelo contrário, é melhor desistir. Quanto ao solucionar o aspecto económico, também depende muito das situações mas, na maioria dos casos, diminui o poder de compra e aumenta o grau de dependência da família relativamente aos apoios sociais.

 

Quanto às causas mais frequentemente invocadas como causadoras do divórcio temos a infidelidade em primeiro lugar, factores sexuais, problemas económicos, falta de comunicação, incompatibilidade de carácter, imaturidade emocional, alcoolismo, violência doméstica, o desejo de refazer a vida, a convicção de que será melhor para os filhos…

Ainda ficam alguns aspectos sobre os quais iremos falar no próximo Portal da Amizade. Debruçar-nos-emos sobre as Consequências nos Filhos, as Famílias Mosaico, as Questões Legais e outras que sejam do vosso interesse e nos sejam colocadas.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *