Home > Colaboradores > Joaquim Canais Rocha > Educação e civismo

Educação e civismo

São duas regras de conduta que devem fazer parte do comportamento de qualquer cidadão, independentemente do seu grau de formação. Aprende-se na Escola e jamais se esquece pela vida fora. Mas a nossa realidade mostra que algumas pessoas não aprenderam quando frequentavam a Escola ou se aprenderam já esqueceram. É pena que isso aconteça porque reflecte o grau de civismo de certas pessoas. Por isso ficamos perplexos quando observamos determinadas coisas na via pública. Por exemplo não se compreende porque razão as pessoas deixam ficar nos Bancos do Jardim, garrafas de bebidas, copos de gelados, etc., etc., quando ali ao lado estão os cestos para o lixo. Quando não é no chão junto ao banco. É a lei do menor esforço ou a falta de civismo? São as duas coisas, claro. Temos reparado que felizmente as crianças, porque aprenderam, já têm a noção de que não devem deitar nada para o chão, mas sim para o caixote do lixo. O Jardim Municipal ali ao lado do Jardim das Rosas é o espaço com maior número de bancos e onde se vê mais lixo em cima dos bancos. Já não é a primeira vez que falamos no assunto, mas parece que estamos a pregar no deserto. No passado domingo, dia 7, enquanto tomávamos o nosso café na esplanada ali junto ao açude real e onde se acumula muito lixo, chegou um casal jovem francês para ali tomar alguma bebida. Antes de abandonar o local puxou pelo telemóvel e tirou várias fotos ao Jardim das Rosas, mas não deixou de tirar uma foto do lixo acumulado no rio. Deu-nos uma vontade de falar com eles para saber o que pensavam do rio ali muito sujo. Mas não deu tempo porque foram-se logo embora. Ficámos a pensar que a imagem que levavam de Torres Novas não seria para recordar mais tarde. Por aquela esplanada ao domingo passam muitos turistas, portugueses e estrangeiros e nada se faz para melhorar a paisagem naquele troço do rio.

*** *** ***

Parece que a temperatura em Torres Novas está a bater o recorde na meteorologia, uma vez que as pessoas mais antigas e para cima dos 80 anos nos afirmaram que não se lembram do calor como está acontecendo. Daí todas as precauções que devem ser tomadas. Beber muita água e permanecer em zonas frescas. Os mais idosos não devem sair de casa depois do meio-dia. Levantar cedo, passear um pouco pela fresquinha e regressar a casa perto das 10 horas da manhã. Mantemos este ritmo de sair cedo e regressar cedo, o que nos tem ajudado a suportar este calor na ordem dos 45

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *