Home > Música > Nosyvozes há duas décadas a dar música

Nosyvozes há duas décadas a dar música

Em 18 de julho passado os Nosyvozes apresentaram-se no Estudio Alfa, em Torres Novas para um concerto que contou com casa quase cheia. Este foi o seu último concerto até à data, mas da sua carreira fazem parte algumas dezenas de apresentações ao público, nas várias gerações que o grupo já atravessou.

O Almonda foi ao seu encontro e ficou a conhecer melhor este grupo de Riachos que há muito já conquistou o público.

Luís Correia é o elemento mais antigo do grupo e que faz parte dos Nosyvozes desde o primeiro momento. O grupo nasce mesmo um pouco por sua causa.

Este não é um grupo convencional, por assim dizer. Eu era coordenador de um movimento aqui existente em Riachos, a JOC. Habitualmente levávamos para as nossas reuniões as guitarras para tocar alguns acordes. Cantávamos cantigas populares de Cancioneiros e cânticos da Igreja. As reuniões começavam sempre da mesma forma, com uma canção em redor da guitarra.

Com a extinção do grupo pediram-me para ensinar alguns acordes de guitarra. Começou-se assim a reunir um grupinho na sala do Centro Paroquial.

Às tantas já éramos cerca de vinte”, começou por explicar Luís Correia.

O espírito que presidia a este grupo era o mesmo que estava presente no seio do anteriormente extinto, a “ideia da partilha dos dons de cada um. Aprender uns com os outros, sempre tendo por base a amizade e o respeito pelo outro”.

No ano de 1993, por altura da festa da Bênção do Gado, numa tentativa de “reabilitar as forças vivas da terra de Riachos, convidaram-nos para cantar algumas músicas e assim fizemos a nossa primeira apresentação”.

Composto na sua maioria por jovens e adolescentes, este é um grupo em constante mudança. Chegada a idade de entrarem na Universidade, os jovens acabam por serem obrigados a abandonar o grupo para iniciarem outras etapas nas suas vidas e outros entram para tomar o lugar destes.

O espaço do “Grupo de Guitarras” que é orientado por Luís Correia, esse vai-se mantendo e é no seu seio que se vão formando os elementos que ingressam nos Nosyvozes.

Os Nosyvozes também têm ganhado muito com a formação que estes jovens vão adquirindo por outros meios, ora na Banda de Riachos ora em outras escolas e grupos”, explica Luís Correia.

Desde o início dos anos 90, os Nosyvozes já tiveram assim 5 ou mesmo seis grupos diferentes, à exceção do Luís que ali se mantém desde a primeira hora.

Célia Ramos

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *