Home > Colaboradores > Madalena Monge > Brincar não é estragar

Brincar não é estragar

Nos meus anos de criança sabíamos que existia um dia dedicado aos mais pequenos, mas sinceramente não me recordo de ter celebrado a data nas escolas. Com o passar dos anos, o Dia Mundial da Criança começou a ter grandes proporções dedicadas aos meninos e meninas do mundo inteiro, se bem que como se sabe em alguns países este dia não existe.

Mas ser criança é sê-lo todos os dias, só que hoje é o dia em que as crianças enchem jardins, como vi de manhã no Jardim das Rosas as crianças do Jardim-de-infância de São Pedro saltitando felizes na relva ainda molhada. Estavam acompanhadas com as suas educadoras e auxiliares para as orientarem e dizer-lhes o que é mau e bom. Muitos pais devem vigiar os seus filhos nas suas brincadeiras quer em casa, quer na rua. Com uma criança todo o cuidado é pouco. Infelizmente este fim de semana mais uma criança faleceu afogada numa piscina, entre tantas outras que também já partiram por descuido dos familiares, ou por maus tratos.

Onde vivo também há crianças e gosto muitos deles. No entanto há que ter atenção ao que eles fazem. Ontem durante o jogo da taça de Portugal alguns miúdos andaram a atirar pedras da calçada a uma árvore de frutos, indo parar por acidente uma dessas pedras ao meu quintal. Por acaso não partiu nenhum vidro, mas podia acontecer e depois claro que ninguém tinha a culpa. Podem dizer os pais que são apenas crianças, mas os frutos chegam para todos e não há necessidade de andar a estragar.

Se chamo a atenção aos pais ainda sou mal interpretada, por isso apenas tento ter uma conversa com os miúdos, que prometem mundos e fundos mas na próxima vez arranjam outro entretém.

Há pais que se recusam a acreditar que os filhos se portam mal. Há uns anos trabalhei numa escola em Alcanena e tínhamos lá um aluno que se portava mesmo muito mal. Era chamado ao conselho executivo muitas vezes, dizia a um professor que lhe batia e tudo o que se lembrasse de dizer. Um dia o pai foi à escola saber se estava tudo bem na escola e eu disse-lhe que havia um aluno que nos dava muitas dores de cabeça. Perguntou-me quem era, eu respondi e o senhor respondeu-me indignado que o aluno era seu filho e que não se comportava dessa maneira. Pois por vezes a ausência de diálogo entre pais e filhos pode ser um fator de risco para tais comportamentos.

Neste dia da Criança fiquei muito feliz ao ler uma notícia que um menino está curado da doença que padecia quando tinha apenas 3 anos. Teve leucemia e foi ajudado por aquela estrelinha que hoje brilha no céu, a Nônô. Conheceram-se no IPO em Lisboa e daí surgiu a amizade. E como também por lá e continuo a passar para vigilância são estes sorrisos ternos que me fazem acreditar que a cura pode chegar.

Um beijinho a todos os meninos e meninas do mundo.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook