Home > Música > Estúdio Alfa esgotado para ouvir Liliana Jordão cantar o fado

Estúdio Alfa esgotado para ouvir Liliana Jordão cantar o fado

No último sábado, dia 21 de março, integrado na programação da Caixa da Cultura, o Estúdio Alfa, no Hotel dos Cavaleiros teve lotação esgotada no concerto da fadista torrejana, Liliana Jordão.

Acompanhada na Guitarra por Paulo Leitão, na Viola por Gilberto Silva e no Baixo por Fernando Nani, Liliana Jordão estreou-se no formato a solo de um concerto de fado.

Muito aplaudida pelo público presente, Liliana Jordão já deu provas de que conquistou a cidade e o concelho.

Este espetáculo foi a resposta a um convite do João Carlos Lopes, a propósito da criação do Caixa de Cultura, onde me foi proporcionada a oportunidade de pela primeira vez apresentar, a solo, fado em formato de concerto.

Fora do ambiente comum das salas de fado, antecipei a possibilidade de recriar um ambiente intimista e sensível onde pudesse dar expressão ao repertório que canto e gosto de interpretar.

O alinhamento e a escolha musical foi determinada pelo facto de, ao invés de ter que selecionar apenas alguns temas do que canto, poder mostrar toda versatilidade do meu crescimento enquanto fadista, e, em simultâneo, percorrer de forma mais um menos cronológica, a minha evolução enquanto intérprete de fado”, explicou Liliana Jordão ao nosso jornal.

Quem me conhece e já vai estando habituado a ouvir-me, sabe que tenho grande cuidado na escolha dos poemas e das músicas que canto, e que procuro maximizar o resultado final através da sua efetiva interpretação e não apenas pela vocalização.

São vários os poetas que canto : Ary dos Santos, Manuela de Freitas, Tiago Torres da Silva, Jorge Fernando, entre outros, até porque me é difícil individualizá-los. E escolha musical é também eclética, intercalando o fado tradicional com algumas baladas e temas que me dizem muito interiormente”, acrescentou ainda.

Foi no verão do ano que passou que O Almonda entrevistou Lilana Jordão. Quisemos saber que caminhos tem desbravado desde essa altura.

Célia Ramos

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *