Home > Colaboradores > Joaquim Canais Rocha > O Calor tarda em chegar

O Calor tarda em chegar

Esta é uma das frases que mais ouvimos na via pública. O calor de outros tempos e a rondar os 42 graus centrígados, ainda este ano não apareceu na cidade torrejana. Já tivemos alguns dias bem quentinhos, mas longe das temperaturas altas. Por outro lado temos tido uma certa aragem que equilibra a temperatura. As noites por vezes apresentam uma certa humidade, com vento frio. Quase que não apetece sair de casa. Um pouco por tudo o País e mais concretamente junto às praias, o tempo não tem estado bom. Mesmo no Algarve onde a temperatura é mais amena, os veraneantes vão-se queixando que o tempo este ano é muito diferente de outros anos, a nível de calor. É natural mudar, são fenómenos que acontecem de tempos a tempos e por vezes os cientistas nada dizem para não prejudicar o turismo. Apesar destes senões a grande maioria dos portugueses continua a preferir o mês de agosto para tirar as suas férias. Muitos comerciantes da nossa cidade aproveitam o fim-de-semana para descansar numa praia balnear. Limitados nas suas férias, por causa do negócio, só desta maneira conseguem ver o mar e respirar outra temperatura. São os ossos do ofício de quem é patrão. Estamos a meio do mês de Agosto e o calor forte ainda não chegou. Fala-se muito nos meses de Setembro e Outubro, que prometem ser quentes. Será assim? Quem tem beneficiado com esta temperatura amena, são as corporações de bombeiros porque os fogos não têm tido a dimensão do último ano. Pelo menos tem-se falado menos, o que não deixa de ser um bom sinal. Apesar disso os nossos Bombeiros estão preparados para combater ou ajudar a combater, qualquer fogo na nossa região. Também é certo que hoje existe mais prevenção, o que ajuda na detenção dos fogos. Com isto tudo o turismo tem sido um pouco afectado, particularmente os restaurantes junto das praias. Pode ser que a última quinzena traga bom tempo e mais quentinho. Temos reparado que a nossa cidade tem recebido a visita de muitos turistas, que aqui chegam de passagem para outras paragens. Na via pública temos encontrado alguns, essa é uma vantagem de andar a pé. Também muitos emigrantes, o que é natural nesta altura. O Jardim das Rosas continua a ser uma zona privilegiada para quem nos visita. Os patos que por ali andam são uma atracção para os miúdos ao dar-lhes pão. O castelo continua a ser um motivo de visita e dado as suas condições para ali se estar, tem merecido elogios de quem por ali passa.

Deixe-nos o seu comentário pelo facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *