● Director: Pe. Durval Baranowske● geral@oalmonda.net tel.: 249 812 499 telm.:96 808 99 42

:: PUB
ligação externa para o sítio internet da Gráfica Almondina
:: PUB
ligação externa para o sítio internet da Gráfica Almondina
Região, Sociedade >> Inauguração do edifício Convento do Carmo acontece no fim de semana               Política, Região, Sociedade >> Câmara vai pagar 400 mil euros aos funcionários pelas 40h               Desporto >> Nádia Carvalho quer sempre “um lugar no pódio”               Região, Sociedade >> Novo Hino do CRIT apresentado no Arraial Solidário               Política, Região, Sociedade >> CDS, BE, CDU e PS apresentaram candidatos               Região, Sociedade >> Festas do Almonda trouxeram torrejanos à rua               Região, Sociedade >> Vai chegar o “TAP” a Torres Novas               Região, Sociedade >> Rancho de Riachos apresentou CD na Casa do Povo               Região, Sociedade >> “Artspace João Carvalho”, um projeto de intervenção cultural               Região, Sociedade >> Angelus TV, o canal que quer evangelizar               Região, Sociedade >> Festival de Folclore de Torres Novas no Jardim das Rosas               Política, Sociedade >> Duas DIM´s polémicas na Assembleia Municipal               Política, Região >> Análise da Situação da Ribeira da Boa Água pela Assembleia Municipal               Escolas, Sociedade >> Alunos de Santa Maria vão ter aulas em contentores               Região, Sociedade >> Procissão dos Padroeiros homenageou a devoção               Aldeias, Região, Sociedade >> Em Lapas houve Marchas Populares               Aldeias, Desporto >> Operário Meiaviense, um clube sexagenário com nova vida               Região, Sociedade >> “Fiquem connosco”               Política, Região >> CDU fez balanço autárquico               Região, Sociedade >> Solstício de Verão da ADPTN na Fábrica de Móveis Pataratas               Região, Sociedade >> João Zilhão veio falar da arqueologia nas Grutas do Almonda               Música, Região, Sociedade >> Banda Operária Torrejana realizou audição de final de ano               Região, Sociedade >> Início do julgamento de recurso de contraordenação da Fabrióleo               Região, Sociedade >> Viaturas elétricas já foram entregues               Região, Sociedade >> “Confins da Infância” a encerrar o “Atrás das Artes”               Região, Sociedade >> Arraial de S. Pedro da Misericórdia em Torres Novas               Aldeias, Região, Sociedade >> Dadores de Sangue do Carvalhal da Aroeira com vontade de retomar dádivas               Região, Sociedade >> Santo António com festa grande em Riachos               Região, Sociedade >> ADIRN dá a conhecer incentivos ao Empreendedorismo e Emprego               Escolas, Sociedade >> Escola e Jardim de Infância de Santa Maria fizeram festa no Palácio dos Desportos               Região, Sociedade >> Bombeiros de Torres Novas combatem nos incêndios do país               Região, Sociedade >> Carlos Reis “voltou” a casa nos 80 anos do Museu e Biblioteca Municipal               Desporto, Sociedade >> OAB Sub 14 sagra-se vice campeão nacional               Região, Sociedade >> É mais do que tempo de dizer “Basta”               Aldeias, Região, Sociedade >> “Morangos da Rua da Saudade”               Escolas, Região, Sociedade >> Um Sarau Cultural com muita classe               Região, Sociedade >> “Finissage”, o encerramento da exposição de Mário Cesariny no Museu Carlos Reis               Aldeias, Música, Sociedade >> Encontro de Bandas Filarmónicas a caminho da quarta edição               Região, Sociedade >> Santo António com Saudade do cheiro da Sardinha Assada               Região, Sociedade >> Passaram milhares pela Festa de Santo António dos Bombeiros               Desporto, Região, Sociedade >> 40.º Grande Prémio de Santo António com mais de 300 atletas               Região, Sociedade, Teatro >> Feira: Manuel de Figueiredo na boca do mundo               Região, Sociedade >> Trincão Marques homenageado no aniversário do Montepio de Nª Sra. da Nazaré               Região, Sociedade >> A polémica dos cartazes               Região, Sociedade >> “Festas em Honra do Divino Espírito Santo de Meia Via” : O livro               Região, Sociedade >> Um emocionante convite ao investimento               Aldeias, Região, Sociedade >> O ansiado Cortejo das Moças               Política, Sociedade >> Câmara: Ribeirenses contra o local de construção da Estação Elevatória               Aldeias, Região, Sociedade >> Meia Via: Festa do Divino Espírito Santo “está no coração da população”               Política, Sociedade >> PS debateu «Os desafios do poder local»               Escolas, Sociedade >> Crianças em risco na Escola Visconde de S. Gião com falta de funcionários?               Aldeias, Sociedade >> Paróquia de Olaia unida em redor da Festa da Coroa               Região, Sociedade >> Banco alimentar recolheu perto de 2000 toneladas de alimentos               Política, Sociedade >> CDU apresentou candidatos à Câmara e Assembleia Municipal               Sociedade >> João Rodrigues Bicho apresentou “Anais da Misericórdia”               Aldeias, Sociedade >> População da Ribeira manifestou-se contra construção de Estação Elevatória               Região, Sociedade >> AGIR foi assaltada… duas vezes               Região, Sociedade >> Despacho de arquivamento do Ministério Público de Santarém: Não há poluição               Desporto, Região, Sociedade >> Um “Trail” mais fresco que é para manter               Agrup. Escolas Gil Paes, Escolas, Região, Sociedade >> Gala Gil Paes homenageou e distinguiu professores e alunos               Região, Sociedade >> Viaturas elétricas para Torres Novas               Região, Sociedade >> Mercearia Biológica Maria Raiz               Região, Sociedade >> Filme de Flávio Ferreira integra selecção de Werner Herzog               Região, Sociedade >> Mais uma derrocada em dia de chuva               Política, Região, Sociedade >> Miguel Bento avança pelo CDS às autárquicas de 2017               Região, Sociedade >> “O Olhar que me deste” na Praça do Peixe               Região, Sociedade >> StartUp Torres Novas: «O improviso treina-se»               Música, Sociedade >> Coral Sinfónico ofereceu concerto de excelência               Região, Sociedade >> “Torres Novas e o Erasmus +” refletiram percurso na Biblioteca               Aldeias, Região, Sociedade >> Festa da Flor no Outeiro Grande               Escolas, Região, Sociedade >> «Pensar Torres Novas – Viver a cidade»               Desporto, Região, Sociedade >> Primeira Gala do Desporto de Torres Novas               Região, Sociedade >> Dia Municipal do Bombeiro: “Precisam-se mais voluntários”               Política, Região, Sociedade >> CDU apresentou conclusões das VII Jornadas Autárquicas               Região, Sociedade >> Rancho de Riachos recriou Boda de Casamento dos anos 40/50               Região, Sociedade >> Clássicos de quatro rodas encheram o olho dos visitantes               Região, Sociedade >> PEDU – Em que ponto estamos?               Aldeias, Sociedade, Teatro >> Teatro Meia estreou peça em dia de aniversário               Região, Saúde, Sociedade >> Devolver a esperança com a força do amor               Região, Sociedade >> “Galopes da Vida” apresentado na Biblioteca Municipal               Política, Região, Sociedade >> PSD critica município por fazer campanha com dinheiros públicos               Região, Sociedade >> “Saberes e Fazeres da Nossa Terra” apostou no empreendedorismo               Região, Segurança, Sociedade >> Taxista sequestrado e morto em Torres Novas               Região, Segurança, Sociedade >> Dia Internacional do Bombeiro: «Voluntários no limite mínimo»               Aldeias, Sociedade >> Jacinta Trincão partilha Histórias de Vida               Escolas, Região, Sociedade >> «Pôr a malta a falar» no Festival da Juventude               Política, Região, Sociedade >> Comemorações do 25 de Abril “contaminadas” pelas autárquicas               Região, Sociedade >> Domingo de Pascoela com grande celebração na Praça dos Claras               Região, Sociedade >> Rambouillet aproxima-se de Torres Novas               Região, Segurança, Sociedade >> Laço humano contra os maus tratos infantis na Praça 5 de Outubro               Região, Sociedade >> O Informático que Mede o Mundo               Região, Sociedade >> Dezenas de embarcações receberam bênção em Constância               Escolas, Região, Sociedade >> Escola de Referência para Educação Bilingue de Alunos Surdos               Região, Sociedade >> Festa de Santo António: Este ano só há as celebrações religiosas               Sociedade, Teatro >> “Atalhos” pelo Grupo de Teatro Juvenil do Virgínia estreia na Sexta               Política, Região, Sociedade >> Contas aprovadas e com resultado positivo de dois milhões de euros               Política, Região, Sociedade >> João Quaresma e Rosa Amora encabeçam listas pelo PSD               Região, Sociedade >> Cabrito à moda de Torres Novas no arranque do Festival do Cabrito               Aldeias, Região, Sociedade >> Rebanho do Pedrógão já tem estábulo               Região, Sociedade >> StartUp: “Recadex” à distância de um telefonema              
Clique para abrir

______________


______________



Maria Lamas na Imprensa Torrejana (5)

11 de Outubro de 2013. Etiquetas: Região, Teatro.

A voz da escritora torrejana emudeceu por largos anos nas páginas do jornal “ O Almonda”. Um período de grande actividade intelectual irá aglutinar a sua vida na defesa dos direitos femininos e da Paz. São tempos marcados pelas perseguições e injustiças perpetradas por um regime odioso. Em 1949 é presa e levada para Caxias, sendo libertada sob caução em finais de Dezembro. No ano seguinte, sofre novamente a sórdida experiência das prisões fascistas, abalando a sua frágil saúde. Obrigada a exilar-se, regressa a Portugal no dia 3 de Dezembro de 1969. No seu país, é com enorme alegria e entusiasmo que vê chegar a revolução dos cravos. Uma data que simboliza o rejuvenescer da esperança e sonho de uma vida inteira. Participa em diversas manifestações ligadas aos primeiros passos da democracia.

Em 20 de Julho de 1974, um artigo do jornal “O Almonda”, anuncia o seu reencontro com a terra onde nasceu. Uma equipa da televisão acompanhou-a com o objectivo de fazer um documentário sobre a vida da mulher que aos oitenta anos ainda mantinha dentro de si o fulgor da juventude. O texto abre com a seguinte citação da escritora “ Quando eu era jovem era para aqui que vinha espraiar o meu olhar até ao longe, à Serra de Aire, adivinhando, para além dela todo o Mundo que eu idealizava e pelo qual lutava.”

O autor do artigo chega ao ponto de considerar “Maria Lamas, a maior figura intelectual jamais nascida em Torres Novas.” Em nosso entender, a afirmação peca por algum exagero. O solo torrejano deu ao mundo das artes e das letras outros nomes com a mesma importância e hombridade de Maria Lamas. Um desses vultos (falamos de Humberto Delgado) contou com a presença da escritora, na homenagem nacional, realizada pelos seus conterrâneos. Notícia desenvolvida nas páginas do jornal “O Almonda” em 28 de Setembro de 1974. O periódico iniciou o texto sobre o evento da seguinte forma: “ O dia 22 de Setembro de 1974 fica assinalado como um dia grande na vida do nosso concelho. Foi aqui que, pela primeira vez se fez ouvir, de modo inequívoco, a voz que pede justiça para o General que, num tempo em que era fácil ter medo, ousou enfrentar o sinistro regime de Salazar abalando os alicerces do regime fascista.

(…) Maria Lamas presidiu e foi a primeira oradora de um comício unitário.

Referiu o bárbaro assassinato do general e todo o largo da Brogueira se elevou: Morte à Pide! Morte à Pide! “

Nas palavras do Pe. Amílcar Fialho o acontecimento resultou numa “homenagem que foi a festa do povo”. Segundo o cronista: “ na Brogueira e no Boquilobo houve uma Festa autêntica, verdadeira, libertadora”.

Na semana seguinte (05-10-74), aparecem no jornal algumas entrevistas sobre o acontecimento, feitas a figuras importantes da cultura portuguesa. Maria Lamas foi um dos entrevistados. Descreve a homenagem a Humberto Delgado como a “afirmação de repúdio do fascismo, porque o General personifica de uma forma impressionante a luta antifascista e o amor pela liberdade e democracia”. Fala do evento como” uma condenação pública do horrendo crime de que foi vítima [Humberto Delgado].”

Mais à frente na entrevista, enaltece o papel do povo da Brogueira nesta iniciativa. Divulga-a como inteiramente “popular”, não sendo ideia de uma “comissão de honra (…). No dizer da escritora: “O povo sentiu força para organizar uma homenagem que emocionou Portugal inteiro.

Além disto, tem ainda o sentido de Unidade porque partiu do povo da Brogueira e mobilizou Portugal de Norte a Sul. Assim, aqui se deslocaram pessoas independentes e representantes de partidos bem como as massas populares, todos irmanados num sentimento comum, o que é importantíssimo (…).”

Na parte final da entrevista a escritora torrejana vinca o seu repúdio pelo assassinato de Humberto Delgado. E reitera a necessidade de se apurar os verdadeiros culpados por tão ignominioso acto.

É preciso esperar mais alguns anos para que as palavras de Maria Lamas voltem novamente às páginas principais do periódico. Aconteceu no dia 24 de Outubro de 1980, com uma mensagem da escritora dirigida a “O Almonda”, em sinal de reconhecimento e apreço. Mais uma vez é referenciado o indivisível elo que une a escritora à sua terra natal. Oiçamo-la: “Este jornal, que leio sempre com atenção e enternecimento, é um elo que me prende à terra onde nasci e vivi até aos 17 anos e à qual me prendem os mais profundos laços de ternura e saudade. Lisboa, 16 de Outubro de 1980. Maria Lamas.”

À escritora que tanto amou a sua terra faltava a homenagem merecida e há muito desejada pelos seus conterrâneos. A cerimónia ocorreu no dia no dia 11 de julho de 1980, no salão nobre da Câmara, perante os órgãos autárquicos e cidadãos torrejanos, onde lhe foi entregue a Medalha de Ouro do concelho de Torres Novas. No tributo, a emoção e a ternura jorravam dos olhos e do coração da mulher simples, estupefacta ante o enorme carinho devotado pelos torrejanos presentes. Em agradecimento, expressou estas sinceras palavras: “Não consigo dizer o que se passa em mim neste momento. É um enternecimento, é uma comoção inexplicável. Vou dizer uma palavra que pode não ser compreendida, mas eu digo-a no melhor sentido- é uma sensação de humildade, porque eu nada fiz, que não fosse corresponder à própria aspiração do meu coração e do meu cérebro. Ajudei, tanto quanto possível, as outras mulheres fazendo tudo quanto pude para minorar a miséria das crianças, mas eu acho que isto são sentimentos naturais e que devem estar ligados à condição humana. Enquanto o mundo não estiver assim, não haverá paz, nem felicidade, nem elevação espiritual.

A mulher como mãe, como companheira do homem, a mulher que é colaboradora valiosa, permanente, constante, em todos os campos, deve assumir a sua posição e responsabilidade na vida social do seu país e da sua época.”

Em outra parte do seu discurso, endereça o seguinte aviso ao povo torrejano sobre o verdadeiro caminho da construção de uma sociedade melhor e mais justa: “ O que há a fazer é uma grande revolução. Revolução que atinja as mulheres, os homens, as crianças, mas uma revolução naquele sentido dignificador e animador, de amparo, de ajuda e de justiça.”

Antes do trágico fim da escritora, “O Almonda” ainda publica, na sua primeira página, a entrega da medalha Eugenie Cotton (a mais alta condecoração da Federação Internacional de mulheres) a Maria Lamas, acontecida na casa do Alentejo (08/04/1983). O jornal endereça-lhe as maiores felicitações por tão merecida homenagem.

A 6 de Dezembro de 1983, acontece o desenlace da vida de uma das mulheres mais distintas do país, que nunca vacilou na defesa dos direitos humanos e da Paz. O seu legado é hoje incontornável para a história da emancipação feminina. A acompanhar a notícia da morte, “ O Almonda” publica o trabalho de Maria Lamas feito para o 25º aniversário do jornal, como forma de homenagear o seu exemplo e agradecer a sua entrega na luta por um mundo melhor e mais humano.

Decorrem, neste mês de Outubro, os 120 anos do nascimento da mulher que escreveu a sua vida em letras de ouro na História Nacional. Mulher do mundo, dotada de uma alma generosa e altruísta, que teve por missão amar os seus semelhantes, dando-lhes a coragem necessária para lutarem pela felicidade a que têm direito.

Mulher irmã, isenta de vaidades e ambições pessoais, que despendeu até ao seu “último alento, pelo ideal de justiça e fraterno Amor” (carta de 20-06-1949).

Ler mais na edição impressa.

Comentar esta notícia

os dados pessoais inseridos, assim como o seu comentário, não ficarão visíveis, servem apenas para leitura dos administradores do site

:: PUB

© 2009 "O Almonda" | Administração | powered by WordPress
Design by fialhoferro.com  |  v.1.0